Aguarde um instante....

 
Segunda SextaDAS 8h00 às 20h00
WhatsApp+55 18 98818-0025

Disfunção sexualVaginismoO que é Vaginismo? - SAIBA como ter o MELHOR TRATAMENTO!

19 de agosto de 2019by Debora Martins0

Vaginismo: Dor Na Relação Sexual Não é Normal. Saiba Como Tratar.

Você sofre com dor na relação sexual e já não aguenta mais? Procurou ajuda em diversos lugares, já ouviu que é só relaxar e tomar um vinho? E, mesmo assim nada adiantou? Então calma, esse artigo é para você. Nele eu vou explicar tudo o que você precisa saber sobre dor durante a relação sexual, o que chamamos de Vaginismo.

O que é Vaginismo

Vaginismo é a contração involuntária dos músculos vaginais, causando dor e desconforto na na penetração, dificultando ou impedindo que ela aconteça. Segundo o DSM-5 cerca de 16% das mulheres brasileiras sofrem com algum desconforto na hora do sexo.

O pior dessa estatística é que a grande maioria dessas mulheres acham que ter dor durante a relação sexual é normal e, acabam não buscando ajuda, ou a buscam somente quando não aguentam mais e chegam a sangram quando a penetração acontece, nesse estágio a dor é insuportável.

O vaginismo pode ser de três tipos:

  • Primário: quando a mulher apresenta desconforto desde a primeira relação sexual;
  • Secundário: quando acontece depois de várias experiências sexuais ao longo da vida;
  • Terciário: é conhecido também como situacional, quando ocorre em situações específicas, ou parceiros específicos.

Causas do Vaginismo

O vaginismo tem origem por diversas questões, como por exemplo fatores físicos e/ou emocionais.

Dentre as causas orgânicas que podem impedir ou dificultar a penetração e causar dor estão:

  • Inflamações e infecções vaginais;
  • Problemas na anatomia vaginal;
  • Disfunções hormonais;
  • Excesso de tensão dos músculos vaginais e do assoalho pélvico;
  • Falta de excitação ou lubrificação vaginal;
  • Endometriose.

Os principais fatores psicológicos que podem estar na origem do vaginismo são:

  • Ansiedade;
  • Medo de sentir dor durante a penetração;
  • Experiências sexuais traumáticas no passado, como abusos ou violência sexual;
  • Educação sexual repressora;
  • Tabus religiosos;
  • Falta de informação sobre o que é uma relação sexual;
  • Falta de conhecimento do próprio corpo;
  • Problemas de relacionamento com o parceiro.

Como se prevenir para não sofrer com o Vaginismo

A prevenção do vaginismo pode ser feito com o autoconhecimento genital, ou seja, tenha conhecimento da vulva, canal vaginal, o que é cada pedacinho e para que serve. O toque no corpo todo e, principalmente na vagina deve ser algo tão natural como que acariciar os braços.

A mulher que se conhece, que tem facilidade de falar sobre sexo e que enxerga o seu corpo como um todo (que realmente é), é uma mulher mais segura e que se entrega sem medo para o momento do prazer, para o sexo.

Então…faça exercícios de ginástica íntima, pois ele auxilia quanto ao toque e maior conhecimento dos músculos pélvicos, além de ensinar a soltar esses músculos que para a mulher que sofre com vaginismo estão sempre “presos”.

Complicações possíveis

Além de o vaginismo acabar afastando o casal e tirar o prazer da mulher, ele impede que muitas mulheres venham a engravidar, isso porque nos casos mais graves, a mulher não consegue permitir que a penetração aconteça, inclusive há relatos de mulheres que chegam em meu consultório com anos de relacionamento e ainda virgens, e procuram ajuda profissional somente quando desejam ter filhos.

Sintomas do Vaginismo

Dependendo da intensidade, os sintomas do vaginismo variam desde leves sensações de ardência com contração na abertura vaginal até o seu total fechamento, tornando impossível a penetração.

  • Ardência ou latejamento com estreitamento da abertura vaginal durante o sexo
  • Penetração difícil ou impossível, dor na entrada vaginal
  • Dor sexual frequente e de origem desconhecida, sem causa aparente
  • Dificuldade em inserir absorventes internos ou submeter-se a exame pélvico / ginecológico
  • Espasmos em outros grupos musculares do corpo (pernas, parte inferior das costas, etc.) e/ou respiração “presa” durante tentativas de relação sexual
  • Evitamento de relações sexuais devido à dor e/ou fracasso

Como é feito o diagnóstico de vaginismo?

O diagnóstico pode ser feito em terapia com a paciente, e através da história clínica e dos sintomas, é possível saber se a mulher sofre com o vaginismo. O profissional para analisar se a mulher sofre com o vaginismo é um Terapeuta Sexual, pois conhece a fundo os sintomas e já consegue tratar em terapia.

Um fisioterapeuta também consegue diagnosticar o vaginismo, aliás o tratamento com equipe multidisciplinar faz toda a diferença no resultado e saúda da paciente, pois com fisioterapia pélvica e psicoterapia a paciente já consegue ter melhora significativa em 15 dias.

O maior problema enfrentado nos dias de hoje é que muitos médicos desconhecem o vaginismo e acabam dizendo para a paciente que ela precisa só “relaxar” ou até mesmo “tomar um vinho”, pode parecer estranho, mas já recebi pacientes que ouviram essa frase de médicos. Por isso, se você mulher, já ouviu frases desse tipo, não desista de procurar ajuda. Vaginismo tem tratamento sim, só é preciso encontrar o profissional certo.

Tratamentos para o Vaginismo

O tratamento para vaginismo é feito através de psicoterapia, como falei a pouco, na psicoterapia é trabalhado as questões das crenças, educação, percepção sobre o que o sexo significa, etc.

No consultório também utilizo de relaxamento muscular completo, ou seja, de todo o corpo, que reflete na região genital. O uso de hipnose clínica também é de grande importância na abordagem para o tratamento do vaginismo.

Os exercícios de ginástica íntima, também conhecidos como pompoarismo são de extrema importância, pois eles dão maior controle muscular, com as técnicas de “aperta” e “solta”, a mulher vai adquirindo esse controle muscular, além de melhorar a vida sexual como um todo, inclusive da autoestima.

Ginástica íntima

O uso doa dilatadores vaginais é algo muito importante, eu utilizo aqui na clínica e ensino as pacientes a como deve usar em casa. Todo o passo a passo é dado com a finalidade  “abrir” o canal vaginal, tudo com calma e sem medo.

Rompendo o Ciclo da Dor

Uma das principais características das disfunções sexuais como o Vaginismo ou a Dispareunia (Transtorno de Dor Gênito Pélvica/Penetração, DSM-5)  é a presença de um círculo vicioso, isto é, um ciclo de dor alimentado pelas consequências da própria disfunção, reforçando ainda mais os sintomas e agravando o quadro de dor.

Causas físicas, psicológicas ou indeterminadas podem dar início ao ciclo em alguma das 3 fases:
•  Pré-penetração
•  Durante a Penetração
•  Pós-penetração

Vaginismo e o cliclo da dor

Para que esse ciclo de dor seja interrompido é preciso seguir diversos exercícios tanto físicos quanto comportamentais, pois a intenção é fazer com que o cérebro entenda que o sexo é bom e prazeroso, para isso acontecer é preciso seguir um passo de cada vez no tratamento, oferendo a mulher “pequenos prazeres” sexuais sem a necessidade de penetração, assim se abrindo mais mais a relação.

Como o parceiro pode ajudar no tratamento do vaginismo

Muito importante no processo de terapia sexual para tratar o vaginismo, é a compreensão do parceiro, pois o auxílio psicológico é essencial. É indicado para o casal, abusar das preliminares, explorando as zonas erógenas, proporcionando relaxamento para a mulher e deixando ela com maior lubrificação.

Debora Martins

Sou Débora Martins - Psicanalista, Terapeuta Sexual, Hipnoterapeuta., meu trabalho é desenvolvido com foco em tratamentos breves que visam transformação de relacionamentos assim como tratamentos de disfunções sexuais, usando de técnicas do Pompoarismo, Hipnoterapia e Tratamentos da Ansiedade.

Deixei seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Débora Martins

Sexóloga clínica, psicanalista e Hipnoterapeuta, meu foco é proporcionar o melhor tratamento em terapia sexual e proporcionar uma vida mais prazerosa para meus pacientes. Fique à vontade em meu site!

Cadastre-se!

Redes sociais

Siga-me nas redes sociais e fique por dentro da agenda de cursos e palestras, assim como conteúdos exclusivos para a sua vida sexual.

Debora Martins

Sexóloga clínica, psicanalista e Hipnoterapeuta, meu foco é proporcionar o melhor tratamento em terapia sexual e proporcionar uma vida mais prazerosa para meus pacientes. Fique à vontade em meu site!

Cadastre-se!

Redes Sociais

Siga-me nas redes sociais e fique por dentro da agenda de cursos e palestras, assim como conteúdos exclusivos para a sua vida sexual.

Todos os direitos reservados a  Debora Martins.

Todos os direitos reservados a Debora Martins.